4 de fev de 2014

ONDE FOI QUE EU VIM PARAR?


onde foi que eu vim parar?
me largaram nesta terra
nesta em que só se tem
pés e passos que saem
para estar em outra terra

nem se vê simples o solo
pois antes do chão se vê 
o céu. Mas deste nada brota,
nada rebenta, nada rasga
e mantiveram os pés no céu

deste dia pra cá se perdeu
o azul, o marrom, o lilás.
por isso aqui me pergunto
onde foi que eu vim parar?
nesta terra sem terra alguma
neste céu que é outra coisa

desses olhares à distância 
ao meu redor me cerquei
me prendi e aqui parei.
de tanto ouvir ao longe
fico e imagino outra terra
cansado do que não existe

dizem que me aborreço
desta terra, de estar aqui.
nada disso, nada disso!
esgotado de ter que sair
dela - disto estou cansado -
de olhos que olham pra lá

às vezes me põem algemas
estas de rejeição e ojeriza
e fico em linhas cáusticas.
sem dar por isso me deixo
às vezes ir para esta noite
pobre, cheia de sono pesado

daí olho para o chão e sorrio
e vejo que devo retirar o céu.
não o céu azul acima de mim
mas este que roubou o chão
que leva ao "onde vim parar?"
no qual eles insistem em pisar

4 comentários:

Isaac Melo disse...

Mais que o ONDE é o POR QUE.

Jefferson
que tua poesia cresça
cada vez mais
à Bessa

Vigor não te falta!

poético e filosófico
o estilo que gosto

Abraços!

Jefferson Bessa disse...

Isaac, obrigado pelas suas palavras. Espero também ver sua poesia caminhando. Seja sempre bem-vindo!
Abraços,

Jefferson

ROGEL SAMUEL disse...

onde fomos parar?
neste chão que não nos conhece
neste azul que não nos ilumina
neste mundo adverso
e ilusório

Jefferson Bessa disse...

Isso, Rogel, é esse o solo que deixaram e deixam aos nossos passos. Gosto muito quando faz um comentário-poema.
Abraços,

Jefferson.