23 de out de 2017

OLHOS-PORTA



meus olhos acordaram feito dobradiças
abriram num canto de porta enguiçada.
estes olhos esquecidos de lançar óleo lubrificante
começaram a ver por ouvir ranger a abertura.

me tragam o lubrificante pois não há lágrima!
quem trará aos meus olhos o verniz de ver?
as retinas se soltaram - o pino das dobradiças!
que viço, que líquido, que água pode umedecer?

me tragam um alicate, acabem com o rangido
pois ainda se abrem arranhando, quase ruindo.
sinto meus olhos-porta, estão despencando
quem colocou a ferrugem impedindo de abrir?

espero que não me tragam lubrificante de cegar.
e se - como quem frita pela décima quinta vez -
me trouxerem óleo de cozinha reutilizado pela décima quinta vez?
meus olhos cegarão de vez, eles já estão ruindo.

então, me tragam sabão para esfregar 
e inserir nas entranhas dos olhos. Vão arder de limpar!
às vezes tenho surtos de vida sanitária!
no entanto, não, aqui não se pede sanidade.

e se me trouxerem uma água para além d'água!?
mas a minha vizinha sã me trouxe água sanitária.
os olhos ficarão piores do que acordaram
o barulho ficará ainda mais cego e insuportável

não me tragam mais nada, me deixem emperrado
nas dobradiças dos olhos que me trouxeram.
não deveria ter pedido, tenho a mania de pedir.
triste pedir, pois alimenta o ranger das dobradiças

não me tragam nada, pois já me trouxeram 
o enguiço dos meus olhos antes de acordar.
eu, rangendo, me perdi ao pedir - vejam só -
aquilo que me trouxeram bem antes e longe


Do e-livro Água Fria (2017)

Nenhum comentário: