16 de mar de 2012

AS CIDADES E OS RIOS

existem rios nas cidades
mas não são rios
não passam
não seguem
estagnados


por isso, a cidade não passa
vive extensa
num estacionamento
do tamanho dela mesma


sem o tempo dos rios
nada escoa
a cidade não passa
as pessoas param


(estranhas de nome,
as cidades não fluem
essas fluminenses e outras
não fluem


de que nos vale
um Rio em nome escrito
se travada em letra
sua palavra não escoa
pois feito poça
parou sem sua água?)


passamos sobre rios e pontes 
mas sob os olhos
nenhum rio nos passa.
ninguém passa por uma cidade
se antes um rio
por ela não passar

4 comentários:

Lara Amaral disse...

Nossa, muito bom!
O poema flui, apesar da história que o prende em alguma poça.

Gostei muito, Jefferson!

Beijo.

Jefferson Bessa disse...

Lara, quanto tempo! Bom que voltou.

Obrigado! Beijos!
Jefferson

MIRZE disse...

Lemvrou-me Veneza, Jefferson.

Mas Veneza não tem nome de Rio. A cidade precisa de rios que a circundem. Dentro dela, apenas baía e lagoas, que estagnadas como poça, deixam fluir habitantes .

Um beijo

Mirze

Jefferson Bessa disse...

levantas aquedutos

que abastecem a alma


[obrigado]

De: lupussignatus signatus (Vítor)