23 de jul de 2011

CHEGUEI HÁ POUCO

cheguei há pouco
sentei-me sozinho
rabisquei umas letras
mas no meu corpo persiste
um odor
em mim mesmo respiro
o ar de outro corpo

a mistura desperta os corpos
sozinho se sente muito pouco
e agora com o pouco calor que faz
de mim exala o encontro
de odores

recordo-me dos outros
quantos outros odores
ao chegar neste quarto
já pude sentir em mim.
as paredes não lembram
nem mesmo agora podem respirar
o que há
de alheio em mim

nesta noite me deitarei
com as horas misturadas de hoje.
às minhas narinas está o corpo
parece ainda transpirar forte
como as coisas que não vivem sozinhas


***

De Rogel Samuel para Jefferson Bessa:

li há pouco
o seu poema corpo
o corpo do seu poema
as coisas que com o corpo
fazem
li e sonho
com o alheio quarto
do alheio gozo
do poema


De Jefferson Bessa para Rogel Samuel

poema lido, escrito:
que respira
o alheamento
dos olhos, do corpo
do poema.
poema lido, escrevo:
neste quarto
que habitamos.




O poema HINO foi publicado no blog Caminho do escritor do amigo Sady Folch. Fico muito agradecido. Para visitar, clique aqui.

10 comentários:

teca disse...

Que delícia de versos... "a mistura é que desperta os corpos..."

Um beijo imenso, poeta!
Bom fim de semana.

MIRZE disse...

Que beleza, Jefferson!

Recordar odores, estando sozinho e saber que cada ser tem o seu próprio.

Isto é que na minha opinião é um poema forte e belíssimo, e que qualquer pessoa pode ler, sem precisar consultar enciclopédias.


"às minhas narinas está o corpo
parece ainda transpirar forte
como as coisas que não vivem sozinhas "


Bravo, poeta!

Beijos

Mirze

Jefferson Bessa disse...

Teca e Mirze, fico feliz e agradecido pela leitura e pelas palavras. Sejam sempre bem-vindas! Um beijo. Jefferson.

dade amorim disse...

Lindo poema com um fecho perfeito, Jefferson.
Abraço grande.

ROGEL SAMUEL disse...

li há pouco
o seu poema corpo
o corpo do seu poema
as coisas que com o corpo
fazem
li e sonho
com o alheio quarto
do alheio gozo
do poema

Jefferson Bessa disse...

Dade, obrigado pela leitura! Um beijo.
***
Para Rogel Samuel,

poema lido, escrito:
que respira
o alheamento
dos olhos, do corpo
do poema.
poema lido, escrevo:
neste quarto
que habitamos.

Um abraço.
Jefferson.

Fred Caju disse...

Passar aqui é sempre uma garantia de qualidade.

Jefferson Bessa disse...

Fred, muito obrigado. Volte sempre! Abraço.

lupuscanissignatus disse...

há paredes

que nos

respiram


[como um
perfume]



*abraço,
Jefferson*

Jefferson Bessa disse...

Amigo Vítor, sempre um prazer recebê-lo aqui! Abraço. Jefferson.